Comunicados

HOMOLOGAÇÕES DE RESCISÕES

informe homologacao

3521 0001

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA HOMOLOGAÇÃO, CONFORME CONVENÇÃO COLETIVA EM VIGOR.

...CLÁUSULA DÉCIMA QUINTA - DAS RESCISÕES DO CONTRATO DE TRABALHO.

O SINTRAE/MS homologará as rescisões contratuais, devidamente agendadas com no mínimo 24 horas de antecedência.

O agendamento deverá ser feito pelo telefone: 3356-3422 ou pelo e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Confira lista completa da documentação necessária para as homologações

 


sintrae informe clube

 


ATÉ QUE ENFIM, FOI CELEBRADA A CONVENÇÃO COLETIVA COM O SINEPE-MS


O Sintrae-MS e o Sinepe-MS, em reunião de negociação realizada ao dia 8 de maio de 2017, acordaram a celebração da Convenção Coletiva de Trabalho e de reajustamento salarial, com vigência até 28 de fevereiro de 2018, para as chamadas cláusulas econômicas (reajuste e piso salariais), e até 28 de fevereiro de 2021, para as cláusulas sociais, que, assim, ficam garantidas por quatro anos.

(Fotos Abaixo: Mesas de negociação entre Sintrae-MS e Sinepe-MS.)

negociacao

A referida Convenção assegura reajuste salarial de 5,25% (cinco inteiros vírgula vinte e cinco por cento), para os salários e os pisos normativos dos professores de educação infantil e ensino fundamental dos anos iniciais e finais (1º ao 9º ano) - o que representa a reposição da inflação, de 4,69%,  mais 0,56% de aumento -; 5%, para os salários e pisos normativos de professores do ensino médio, ensino superior, cursos livres e idiomas, auxiliares administrativos e de serviços gerais -   o que representa a reposição da inflação de março de 2016 a fevereiro de 2017 (4,69%), mais 0,31%, de aumento.

Os reajustes e vigência das cláusulas sociais são retroativos a 1º de março de 2017.

Por força da nova Convenção, os pisos salariais são os seguintes, a partir de 1º de março de 2017:

I    Educação infantil e Ensino fundamental dos anos iniciais:

R$ 10,72 - correção de 5,25%.

II    Ensino fundamental dos anos finais:

R$ 12,33 - correção de 5,25%.

III   Ensino médio e cursos livres e idiomas: 

R$ 20,26 - correção de 5%.

IV   Ensino superior:

R$ 36,37 - correção de 5%.

V    Auxiliar administrativo e auxiliar docente:

R$ 1.012,26 - correção de 5%;

VI   Auxiliar de serviços gerais:

R$ 976,34 - correção de 5%.

               
As diferenças salariais, referentes aos meses de março e abril, serão pagas até o dia 10 de agosto.

Para o Presidente do Sintrae-MS, professor Eduardo Botelho, o acordo firmado com o Sinepe-MS pode e deve ser considerado como importante conquista da categoria, neste sombrio contexto brasileiro, em que a maior parte das negociações coletivas chega ao máximo à reposição da inflação.


negociacao1
Foto: Presidente do Sintrae-MS: Professor Eduardo Botelho

 "A garantia da reposição da inflação e mais o anunciado percentual de aumento, ainda que numericamente pequeno, representa, sim, conquista da categoria, que tem preservado o poder de compra dos seus salários.

Além do que, a renovação das  cláusulas sociais, por quatro anos, representa um freio à sanha do governo e do Congresso Nacional, de autorizar a supressão e/ou a drástica redução de todos os direitos fundamentais sociais.   Os que estão na convenção coletiva, durante os próximos quatro anos, em nenhuma hipótese, poderão ser reduzidos e/ou suprimidos", enfatiza o presidente.


 informe clube sintrae


 

Associados do Sintrae-MS têm Desconto de 40% em Pós-Graduação

Associados do Sintrae-MS têm desconto de 40% em mensalidades no curso de Pós-Graduação: Docência e Gestão do Ensino Superior, promovido pela Faculdade Estácio de Sá de Campo Grande/MS. O benefício também contempla os dependentes legais, basta apresentar a carteira de associado no ato da inscrição.

O desconto estará incluso nas mensalidades em todo o período do curso, que tem início previsto para o dia 28 de outubro. As inscrições estão abertas.
 

Saiba Mais:
De acordo com a Estácio de Sá, o aluno egresso poderá atuar na docência do Ensino Superior, com um olhar ampliado sobre a formação de profissionais, tendo conhecimento dos princípios que envolvem o processo ensino-aprendizagem no Ensino Superior e das competências e habilidades didático-pedagógicas necessárias à sua ação.

Segundo a faculdade, o objetivo é o aprimoramento profissional para o exercício do magistério superior e a especialização em Educação  Docência do Ensino Superior: fundamentos, metodologia e práticas educativas, de acordo com a resolução CNE/CES nº 1 de 8 de junho de 2007 para os cursistas aprovados em todas as disciplinas. Convênio com a Harvard Business Publishing.

Curso quinzenal  com carga horaria de 379h ,  aulas aos sábados.
 
Investimento de :
DE:R$ 514,29
Por:  R$ 308,57  com 40%
Primeira parcela com 60% desc R$ 205,72    
      
Mais informações:
Daniela Borges
Gestora Comercial Pós-graduação – Núcleo Pantanal-MS – Reg.Norte.
(67) 3348-8816 | (67) 9 8478-1365
 
 

Direitos em Risco: Importância do engajamento em relação às questões trabalhistas

Direitos em Risco: Importância do engajamento em relação às questões trabalhistas

ALERTA SINTRAE

Diante de tantas mudanças na política do país e da elaboração de Projetos de Lei – divulgados como modernização das relações de trabalho, o SINTRAE-MS chama atenção dos trabalhadores para que se inteirem e participem com objetivo de impedir retrocessos. O sindicato alerta que os direitos trabalhistas estão sob riscos eminentes.

Entre as questões mais problemáticas estão: Terceirização das atividades fins (Projeto de Lei da Câmara nº 30, prevalência do negociado sobre o legislado (Emenda da Medida Provisória 680) e Reforma da Previdência Social. Neste texto serão abordados os dois primeiros temas.

Leia mais...

Diretor do Diap alerta que longe dos sindicatos trabalhadores poderão perder direitos

Analista político avalia momento crítico para trabalhadores e destaca que a única alternativa para evitar retrocessos é a participação junto ao sindicato

Advogado-trabalhista

O cenário político e econômico no país é crítico e sinaliza ameaças aos direito dos trabalhadores. De acordo com o jornalista, analista político e diretor de Documentação do Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar), Antônio Augusto de Queiroz, em seu artigo “As políticas públicas, os assalariados e os caroneiros” (leia na íntegra clique aqui)não há mais espaço para o que a ciência política chama de “caroneiro”, o qual designa como “aquele sujeito ou entidade que evita arcar com os custos da participação porque haverá outros membros que assumirão esse encargo e ele, de qualquer modo será beneficiado”.

Leia mais...

Entrevista - Terceirização e os possíveis impactos na educação

 eduardo materia

Diante da instabilidade política do país, pouco tem sido a abordagem e discussão referente aos projetos que – se aprovados pela Câmara Federal e Senado podem prejudicar os direitos trabalhistas como, por exemplo, a terceirização sem limites.

Em luta pela manutenção dos direitos trabalhistas, o presidente do SINTRAE-MS, professor Eduardo Botelho, aborda os prejuízo que a terceirização pode ocasionar na educação, caso o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 30/15 seja aprovado.

SINTRAE/MS: Do que se trata o Projeto de Terceirização?

Professor Eduardo Botelho: É preciso detalhar que inicialmente o projeto que aborda este tema era denominado Projeto de Lei 4330, de 2004. Após ser aprovado na Câmara Federal, passou a ser denominado Projeto de Lei da Câmara (PLC) 30/2015.

Leia mais...

Negociações 2015

Negociações Salariais 2015

 

Na tarde da última quinta-feira, 12/03/2015, ocorreu na sede do Sinepe/MS, a primeira rodada de negociações de 2015.

Após discussão e questionamentos, os sindicatos laboral e patronal definiram os índices de reajustes salariais e concluíram a negociação da Convenção Coletiva de Trabalho.

Os salários em geral pagos acima dos pisos dos trabalhadores representados pelo Sintrae/MS, terão um reajuste linear de 9,2% (nove inteiros por cento e dois décimos percentuais).

Os salários normativos passam a vigorar com os seguintes valores:

NÍVEIS DE SALÁRIO NORMATIVO

Março 2015

A- Educação Infantil

9,17

B- Ensino Fundamental I

9,17

C- Ensino Fundamental II

10,55

D- Ensino Médio

17,38

E- Cursos Livres e Idiomas

17,38

F- Educação Superior

31,19

G- Auxiliar Administrativo

867,90

H- Auxiliar Docente

867,90

I- Auxiliar de Serviços Gerais

837,10

 

O presidente do Sintrae-MS, Eduardo Botelho,  analisa o resultado da negociação: “Asseguramos ganho real com índices acima da inflação, maior que o reajuste do salário mínimo que subiu 8,84%. Além disso, superamos o índice do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) do período que foi de 7,67%. Nossa comissão negociadora mais uma vez se empenhou e desde o princípio deixamos claro que não abriríamos mão do ganho real acima do índice inflacionário”, destaca.

Confira aqui a minuta da Convenção Coletiva assinada pelo Sintrae/MS e Sinepe/MS.

Clique aqui para acessar a Convenção Coletiva de Trabalho Registrada

Atenciosamente, Comissão Negociadora.


 

Dia do Trabalhador

1º de Maio Dia do Trabalhador

"Bar Aberto"

Confraternização para os Associados no Clube de Campo do Sintrae/MS

Dicas para ver o seu Sindicato fracassar

Dicas para ver o seu Sindicato fracassar

1. Não freqüente sua entidade mas, quando for lá, procure algo para reclamar.

2. Se comparecer a qualquer atividade, encontre falhas no trabalho de quem está lutando por ela.

3. Nunca aceite uma incumbência. Lembre-se de que é mais fácil criticar do que realizar.

4. Se a diretoria pedir sua opinião ou ajuda sobre o assunto, responda que não tem nada a dizer ou está sem tempo. Depois, espalhe como deveriam ser as coisas.

5. Não faça mais do que somente do que o necessário. Porém, quando os diretores e sócios estiverem trabalhando com boa vontade e com interesse pra que tudo corra bem, afirme que sua entidade está dominada por um grupinho.

6. Não leia o jornal da entidade, e muito menos os comunicados. Afirme que ambos não publicam nada de interessante ou, melhor ainda, diga que não os recebe regularmente.

7. Se for convidado para qualquer cargo, recuse alegando falta de tempo e depois critique com afirmações do tipo: “Essa turma quer é ficar sempre nos mesmos cargos...”

8. Quando tiver divergência com um diretor, procure, com toda intensidade, vingar-se da entidade.

9. Faça ameaças de abrir processo ético e envie cartas ao quadro social com acusações à diretoria.

10. Sugira, insista e cobre a realização de cursos e palestras. Quando a entidade realiza-los, não se inscreva e nem mesmo compareça.

11. Se receber um questionário da entidade solicitando sugestões, não preencha, e se a diretoria não adivinhas as suas idéias e pontos de vista, critique e espalhe a todos que é ignorado.

12. Após toda esta “colocação espontânea”, quando cessarem as publicações, as reuniões e todas as demais atividades, enfim, quando a sua entidade morrer, estufe o peito e afirme com orgulho: “EU NÃO DISSE!”.

 

 

 

 

Negociações 2014

Os índices dos reajustes salariais acordados em negociação variam entre 7% e 7,3%

Na manhã do dia 14 de março aconteceu a terceira rodada de negociação entre o Sintrae-MS e Sinepe-MS. Após discussão e questionamentos, os sindicatos laboral e patronal definiram os índices de reajustes salariais e concluíram a negociação do Termo Aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho 2014/2015. 

Todos os professores, auxiliares administrativos, auxiliares docentes e auxiliares de serviços gerais terão um reajuste linear de 7% (sete inteiros por cento). Os professores que se enquadram nos salários normativos da Educação Infantil e Fundamental I terão reajuste de 7,3% (sete inteiros e três décimos percentuais), ficando com os valores conforme consta tabela abaixo.

O presidente do Sintrae-MS, Eduardo Botelho,  analisa o resultado da negociação: “Asseguramos ganho real com índices acima da inflação, maior que o reajuste do salário mínimo que subiu 6,78% e da aposentadoria que neste ano foi de 5,56%. Além disso,superamos o índice do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) do período que foi de 5,38%. Nossa comissão negociadora se empenhou e desde o princípio deixamos claro que não abriríamos mão do ganho real acima do índice inflacionário”, destaca.

Abaixo segue a nova tabela dos Níveis de Salários Normativos:

Reajustes:
Professores
Educação Infantil e Ensino Fundamental I: 7,3%
Todos os outros professores da base do Sintrae-MS: 7%

Auxiliares
Auxiliar Administrativo e Docente: R$ 789,00
Auxiliar de serviços Gerais: R$ 761,00

O reajustes incidem incidem sobre os salários a partir de 1º de março, database da categoria.

Leia mais...

Opinião do Sintrae/MS a Respeito das Reformas Sindicais

O Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino no Mato Grosso do Sul – SINTRAE-MS, no que tange às discussões a respeito da Reforma Sindical, tem a tecer as considerações, aos Parlamentares de todos os níveis, principalmente aos do PT, que da unidade chegou à Presidência deste amado País, a seguir, elenca como forma de estudo e proposta:

Encontra-se em discussão, não só no Senado, como em todos os setores do Congresso Nacional, ainda em alguns setores da sociedade, a proposta de emenda à Constituição n. 29, de autoria dos Deputados Vicentinho (PT/ SP) e Maurício Rands (PT/PE), ou que seja a partir dela. A referida proposta visa a modificar os incisos II, III, IV e VIII do artigo 8º da Constituição Federal, além de acrescer-lhes os incisos IX e X. Visa , ainda, a extinguir a Contribuição Sindical, prevista nos artigos 578 e seguintes , da CLT. 


Num prisma de estudo comparativo entre o texto atual e o contido na citada proposta de emenda, reproduzem-se, aqui, ambos, na sua íntegra.
Inciso II, (Texto atual): é vedada a criação de mais de uma organização sindical, em qualquer grau, representativa de categoria profissional ou econômica, na mesma base territorial, que será definida pelos trabalhadores ou empregadores interessados, não podendo ser inferior à área de um município.

 

Texto proposto: organizações sindicais representativas de trabalhadores e empregadores podem se organizar a partir do local de trabalho e constituir Federações, Confederações e Centrais Sindicais e a elas se filiarem, e qualquer uma dessas organizações pode filiar-se a organizações internacionais de trabalhadores e empregadores.

 


Inciso III:
Texto atual: ao sindicato cabe a defesa dos direitos e interesses coletivos ou individuais da categoria, inclusive em questões judiciais ou administrativas.
Texto proposto: ao Sindicato, Federação, Confederação ou Central Sindical cabe a defesa dos direitos e interesses coletivos ou individuais dos trabalhadores, inclusive como substituto processual, em questões judiciais ou administrativas.

 


Inciso IV:
Texto atual: a Assembléia Geral fixará a contribuição que, em se tratando de categoria profissional, será descontada em folha, para custeio do sistema confederativo da representação sindical respectiva, independentemente da contribuição prevista em lei.
Texto proposto: o empregador fica obrigado a descontar em folha de pagamento e a recolher às organizações sindicais as contribuições associativas, as contribuições para custeio do sistema confederativo e as contribuições de fortalecimento sindical ou similares que sejam aprovados pela assembléia geral representativa de acordo com os respectivos estatutos.

 


Inciso VIII:
Texto atual: é vedada a dispensa do empregado sindicalizado a partir do registro da candidatura a cargo de direção ou representação sindical e, se eleito, ainda que suplente, até um ano após o final do mandato, salvo se cometer falta grave nos termos da lei.
Texto proposto: é vedada a dispensa do empregado sindicalizado a partir do registro da candidatura a cargo de direção ou representação sindical, inclusive como representante no local de trabalho e, se eleito, ainda que suplente, até um ano após o final do mandato, salvo se cometer falta grave nos temos da lei.

 


Incisos acrescidos:
IX – Nenhum empregado poderá sofrer retaliação, inclusive despedida, por motivo de participação em atividade sindical, sendo-lhe facultado recorrer ao judiciário pleiteando tutela antecipada específica para anular o ato de retaliação.
X – os litígios entre as entidades sindicais pela legitimidade para negociação coletiva serão submetidas à Central Sindical a que elas sejam filiadas ou a comissão mista composta pelas diversas Centrais Sindicais, quando elas forem filiadas a Centrais distintas; ou por mediação e arbitragem, quando não houver acordo na comissão mista ou quando as entidades não forem filiadas a qualquer central.

 


Artigo 580 , da CLT.
Texto Atual: A contribuição sindical será recolhida, de uma só vez, anualmente, e consistirá:
I- na importância correspondente à remuneração de um dia de trabalho, para os empregados, qualquer que seja a forma da referida remuneração;
II- para os agentes ou trabalhadores autônomos e para os profissionais liberais, numa importância correspondente a 30% (trinta por cento) do maior valor-de-referência fixado pelo Poder Executivo , vigente à época em que é devida a contribuição sindical, arredondada para cr$ 1,00 ( hum cruzeiro) a fração porventura existente.

 

III- para os empregadores, numa importância proporcional ao capital social da firma ou empresa, registrado nas respectivas Juntas Comerciais ou órgãos equivalentes, mediante aplicação de alíquotas, ....”

 

Texto proposto:
Artigo 3º - a contribuição sindical compulsória devida por todos os integrantes da categoria profissional ou econômica à entidade sindical será extinta gradualmente, podendo ser cobrada com base no artigo 580 da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, nas seguintes proporções:
I- 80% ( oitenta por cento) do valor previsto no primeiro ano subsequente ao da aprovação desta Emenda;
II- 60% (sessenta por cento) no segundo ano;
III- 40% (quarenta por cento) no terceiro ano;
IV- 20% (vinte por cento) no quarto ano.

 

A proposta de emenda à Constituição, em destaque, como se extrai da literalidade de seu texto, e é expressamente confirmado pelos seus autores, visa a substituir a unicidade sindical pelo pluralismo, bem como extinguir a contribuição sindical compulsória, prevista na CLT.

 


Segundo afirmações dos autores, contidas na justificação à proposta, ter liberdade sindical significa a não interferência do Estado, na organização e administração dos sindicatos, liberdade de filiação e desfiliação, liberdade para escolher o modelo sindical, liberdade para criar novos sindicatos segundo os critérios a serem estabelecidos pelos próprios sindicatos.

 


Afirmam que no Brasil não há liberdade sindical, pois que é vedada a criação de mais de uma organização na mesma base territorial, que não pode ser inferior à do município. Isso, segundo os autores da proposta e emenda à Constituição, significa que é adotado o critério da representação por categoria profissional ou econômica, não sendo possível adotar outro, como o do sindicato político, vinculado à uma ideologia e não a uma categoria; não sendo também possível a criação de um sindicato por empresa, por exemplo. Tampouco é possível a criação de mais de um sindicato por categoria.

 


Argumentam, ainda, que a Constituição de 1988 adotou um sistema híbrido, mantendo princípios da unicidade sindical e impondo regras típicas da liberdade sindical, como a não interferência do Estado na organização sindical, sendo que as incompatibilidades existentes não podem ser superadas entre elas, porquanto a unicidade é originária de uma ideologia autoritária, que acredita que os conflitos entre capital e trabalho podem desaparecer dentro do próprio Estado, que busca o bem comum.

 


Por último, afirmam que a liberdade sindical, própria dos regimes democráticos, garante o direito de escolha de sindicato, o direito de criar um sindicato segundo o modelo que se julgar oportuno; e que a presente proposta de emenda permitirá, enfim, a ratificação pelo Brasil da Convenção 87, da OIT, que dormita nas gavetas do Congresso Nacional, desde 1947.

 


O texto sob análise, além de apresentar redação confusa, repetitiva e pobre, não possui técnica legislativa, pois que pretende alterar a Constituição Federal e a CLT por meio de emenda constitucional.

 


A boa e correta técnica legislativa exige que o artigo da Constituição, que trata da organização sindical, seja modificado por meio de emenda constitucional, e o texto da CLT, por sua vez, por meio de Projeto de Lei.

 


No que concerne ao mérito, o texto pretende, precipuamente, a supressão da unicidade sindical – considerada pelos autores como retrógrada e perniciosa aos trabalhadores – e a sua substituição por organização sem regras e parâmetros, as quais intitulam de democráticas e livres.

 


Na eventualidade de a proposta vir a ser aprovada, nos moldes previstos, segundo os próprios autores, poderão ser criadas organizações por locais de trabalho – as chamadas OLT – sindicatos, federações, confederações e centrais sindicais por ideologia política, concepção filosófica, credo religioso, opção sexual ou critérios étnicos. Podendo, em conseqüência disso, serem fundadas organizações sindicais, por empresa, seção, departamento, andares, salas, etc.

 


Com isso, como se infere do texto proposto e da justificação dos autores, as organizações sindicais, qualquer que seja o seu grau, representarão tão somente os associados e não mais as categorias, como o é hoje, sendo que os trabalhadores que não se filiarem a uma delas não terão representação sindical. Isto é, não serão alcançados pelos acordos e/ou convenções coletivas que porventura venham a ser firmadas, e nem substituídos, administrativa e judicialmente. Importa dizer: ficarão entregues à própria sorte.

 


Se devem existir tantas organizações sindicais quantas forem as opções dos trabalhadores, o pressuposto básico é o de que a cada uma delas caberá a representação total de seus filiados, mas não é isto o que prevê o texto da proposta de emenda constitucional.

 


Na conformidade do disposto no inciso X, a ser acrescido ao artigo 8º, da Constituição Federal, a legitimidade para negociação coletiva não é extensiva a todas as entidades. Essa prerrogativa será da entidade que for escolhida pela Central Sindical, quando todas forem filiadas à uma só Central ou à Comissão Mista, composta pelas diversas Centrais, às quais se filiarem as organizações em conflito; ou ainda, por mediação e arbitragem, na falta de acordo na Comissão Mista.

 


E, muito embora não esteja escrito no texto, se as partes em conflito não aceitarem nenhuma das soluções acima, não se saberá qual entidade sindical terá legitimidade para negociar. E, nesse caso, não haverá negociação, ou o patrão escolherá com quem negociar.

 


Como se vê, a liberdade sindical, tão propalada pelos autores de proposta de emenda à Constituição é restrita e limitada, pois que apesar de poderem existir tantas entidades quantas forem do interesse dos trabalhadores ou patrões, nem todas elas possuirão representatividade completa.

 


Ora, se uma entidade sindical não tem poder de representação coletiva para firmar acordo e/ou convenção coletiva, há que se indagar sobre a sua finalidade, seu valor e sua importância.

 


O texto, para ser coerente com a justificação, deveria dizer de forma cristalina que as entidades sindicais possuirão legitimidade completa, para todos os atos de representação dos seus associados. E não se valer de subterfúgios, como faz, para determinar que umas têm tal legitimidade, porém outras não.

 


Essa representatividade limitada, com certeza, acarretará graves prejuízos aos trabalhadores, haja vista que, sempre que se instalar o impasse entre as entidades, para se saber qual delas possui legitimidade para negociar com a representação patronal, os trabalhadores interessados ficarão sem garantia, exceto a prevista em lei, se houver alguma, até que ele seja superado, não importando o tempo necessário para isso.

 


É bem de ver que o impasse sobre a mencionada legitimidade pode se verificar no seio das entidades dos trabalhadores e no das patronais. Em qualquer caso, o prejuízo será dos primeiros.

 


Outra questão de relevância, que sobressai do texto em análise diz respeito à obrigatoriedade de cumprimento dos acordos e convenções coletivas pelas empresas. Não restam dúvidas que só se obrigarão a eles aquelas que forem e se mantiverem filiadas à organização sindical patronal que o celebrar.

 

Se determinada empresa não concordar com os termos do acordo ou da convenção coletiva, firmada pela organização à qual é filiada, para se desobrigar de seu cumprimento, basta que se desfilie dessa.

 


A proposta de emenda à Constituição, tão ciosa no que tange à propalada liberdade sindical, que implantará, de forma irremediável e definitiva o pluralismo sindical, não cuida de aspectos importantes que a acompanharam nos países considerados democráticos que a adotaram, como, por exemplo, o fim do poder potestativo absoluto, que permite ao empregador demitir, a qualquer tempo e sem nenhuma causa, um ou todos os seus empregados, sem obstáculo algum.

 

O texto em comento, cinge-se a tratar da estabilidade provisória daqueles que forem eleitos para direção ou representação sindical, não fazendo referência aos demais trabalhadores.

 


Não se pode deixar de registrar que, nos países europeus, a implantação da chamada liberdade sindical, preconizada pela Convenção 87, da OIT, deu-se num momento de ascensão e de fortalecimento do movimento sindical, como corolário da vitória sobre o nazi-fascismo.

 


Essa implantação trouxe em seu bojo a proibição da demissão imotivada, de todos os trabalhadores.

 


No Brasil, a implantação do plurissindicalismo se acontecer, dar-se-á em meio a uma profunda crise econômica e social, marcada por gigantesco desemprego, profunda precarização das relações de trabalho e de crescente supressão de direitos, e de maior fragilização do movimento sindical. Portanto, representará acachapante derrota dos trabalhadores.

 


Não é demais lembrar que todos os empresários, políticos de direita, ideólogos do capitalismo, os atuais e ex–ministros do TST, todos velhos e conhecidos algozes dos trabalhadores, são ferrenhos defensores do plurissindicalismo; e não o fazem em nome da democracia, mas de seus vis interesses.

 


Para se ter uma idéia de como os empresários vêem o plurissindicalismo, basta que se recorde que o então Senador Constituinte, Albano Franco, apresentou uma emenda ao texto do relator, Bernardo Cabral, o qual estabelecia, na Constituição, a unicidade para os empresários e o pluralismo para os trabalhadores.

 


É, no mínimo, estranho o fato de os autores da proposta de emenda à Constituição demonstrarem tanto atenção e apreço pela Convenção 87, da OIT, e não fazerem sequer referência à Convenção 158, também da OIT, que veda a dispensa imotivada dos trabalhadores, e que foi denunciada pelo governo brasileiro, de forma irregular e acintosa, apenas sete meses após sua ratificação.

 


Por que os autores da proposta tão preocupados com uma pretensa liberdade sindical, que, pelo contexto, será vazio de conteúdo e maléfica aos trabalhadores, não propugnam pela re-ratificação da Convenção 158?. Se essa re-ratificação acontecesse, haveria, pelo menos, garantia mínima para todos aqueles que se dispusessem a participar da livre organização sindical.

 


Caso os autores da proposta de emenda à Constituição não tenham apreço pela referida Convenção da OIT, poderiam ter apresentado Projeto de Lei Complementar, regulamentando o inciso I do artigo 7º da Constituição Federal, que trata exatamente da proibição de demissão imotivada. Todavia, nenhuma dessas providências foi tomada.

 


Para eles, ao que parece, a simples supressão da unicidade sindical, representará a redenção dos trabalhadores e do movimento sindical. Nada mais falacioso, pois que a propalada liberdade sem garantia de sua aplicação não passa de arremedo, desprovido de valor real ou efetivo.

 


Há, ainda, que se considerar uma questão de grande relevância, que, certamente, constituir-se-á em objeto de interminável controvérsia. Essa questão é a da estabilidade dos dirigentes e dos representantes sindicais.
Consoante o inciso VIII da proposta de emenda – que difere do atual texto apenas quanto ao representante do local de trabalho, que não é contemplado por este -, é vedada a dispensa do empregado sindicalizado a partir do registro da candidatura a cargo de direção ou representação sindical, inclusive como representante no local de trabalho e, se eleito, ainda que suplente, até um ano após o final do mandato, salvo se cometer falta grave nos termos da lei.

 


Da literalidade do texto extrai-se que todos os dirigentes e representantes sindicais, não importando o número, gozarão da estabilidade provisória de que trata o sobredito inciso.

 


Porém não é assim que entende a justiça, em suas diversas esferas. O STF firmou jurisprudência no sentido de que o artigo 522, da CLT, que limita o número de dirigentes, por entidade, a sete efetivos, sete suplentes, três efetivos do conselho fiscal e três suplentes, foi recepcionado pela Constituição Federal. O TST , apesar de ser instância inferior ao STF, foi mais longe em sua jurisprudência, porquanto entende que se o Estatuto da entidade não determinar quais são os vinte detentores de estabilidade, nenhum deles gozará dela.

 


Para o STF, como se trata de obrigação a ser cumprida por terceiros, no caso, as empresas, as entidades sindicais não podem definir, ao seu talante, o número de dirigentes sindicais estáveis, sob pena de cometer abuso de direito, intolerável pela justiça.

 


Como a redação proposta para o inciso mantém a estrutura do texto atual, indiscutivelmente, a controvérsia não será dissipada. E com muito mais vigor, na hipótese de a emenda vir a ser aprovada na sua essência, que, repita-se, estabelece nova forma de organização sindical sem regras e parâmetros, haja vista possibilitar a criação de entidades sindicais a critério dos interessados, pouco importando quantas sejam e quais as finalidades.

 


Se o texto constitucional não prever, de maneira cristalina e insofismável, o número de dirigentes e representantes sindicais estáveis, por entidade, o desfecho da questão será trágico, isto é, ao final não restará nenhum que seja efetivamente portador dessa garantia, aos olhos da justiça.

 


Não se argumente que essa tarefa deve ser deixada à legislação ordinária, posto que essa pode ser alterada a qualquer tempo, sem maiores dificuldades, basta que os empregadores assim o queiram. Já a Constituição exige quorum de 3/5 (60%) das duas casas.

 


Para que se possa ter a dimensão da questão em debate, toma-se, a título de ilustração, o caso de uma empresa com novecentos empregados e que abrigue, em seu seio, trinta sindicatos, compostos por vinte membros cada um deles. Pergunta-se: todos os seiscentos dirigentes gozarão da estabilidade provisória prevista no inciso VIII do artigo 8º da Constituição Federal? Será que alguém, em sã consciência, acredita nessa possibilidade?

 


Se se considerar exagerado o número de entidades na empresa do exemplo, muito embora ele seja plenamente possível pelo texto proposto, pode-se reduzir o número de entidades para cinco, ainda assim, pelo menos, cem dirigentes gozariam de estabilidade? Isso é crível? Ao que tudo indica, não.

 


Também deve ser objeto de reflexão o tempo de duração do mandato dos dirigentes, que a teor do texto proposto, será definido pelos próprios interessados. Ora, como essa questão está umbilicalmente ligada à anterior, não resta dúvidas que se ela não for definida, de forma precisa, a justiça nela interferirá, pois, por criar obrigações para terceiros cumprirem, não pode ficar sem limitação. Ou será que alguém imagina os dirigentes de uma ou mais entidade sindical com mandato de cinco anos, por exemplo, gozando de estabilidade durante sua vigência e até um ano após? Nada indica que assim será.

 


Ante essas razões, apresentam-se como imperiosas diversas mudanças e complementos na proposta de emenda à Constituição, para que não se instale, nas organizações sindicais, o caos e, por conseguinte, o salve-se quem puder. Isto, claro, se se considerar que as mudanças por ela preconizadas são inexoráveis e necessárias. Com o que, evidentemente, não concordariam centenas de sindicalistas e estudiosos da questão, inclusive quem escreve essas linhas.

 


Ressalte-se que a proposta de emenda, mesmo para quem não concorda com seu mérito, traz elementos novos e que merecem saudações, como o reconhecimento expresso e solene das Centrais Sindicais e a possibilidade de qualquer das organizações sindicais filiar-se a co-irmãs estrangeiras.

 


Apesar de, desde o advento da Constituição de 1988, as Centrais Sindicais serem reconhecidas na prática, elas não são legalmente previstas. O mesmo se aplica à filiação à organização internacional, que é tolerada, mas não é legalmente autorizada.

 


O reconhecimento constitucional das Centrais constitui-se num passo importante para a contratação coletiva, defendida quase à unanimidade pelos sindicalistas, e que se e quando vier a ser implantada modificará substancialmente, senão radicalmente, as relações de trabalho no Brasil.

 


Outra inovação importante, inserida na proposta de emenda, é aquela contida no inciso IX, a ser acrescido ao artigo 8º, e que trata da proibição de retaliação ou perseguição ao trabalhador, por motivo de participação em atividade sindical, prática corriqueira na quase totalidade das empresas.

 


Esse dispositivo, se tiver a redação aperfeiçoada, de modo tornar a garantia efetiva, e vier a ser aprovado, representará uma significativa conquista dos trabalhadores, pois que poderão participar das atividades sindicais sem qualquer temor.

 


No que se pertine à extinção da contribuição sindical compulsória, não se vislumbram controvérsias, pois que, apesar de ela ser útil e até fundamental para diversas entidades que não podem ser acusadas de cartorárias ou pelegas, considerável parcela dos sindicatos já não a tem em seu orçamento há muito, chegando mesmo, a devolver a parte que lhe toca, correspondente a 60% do total arrecadado.

 


Entretanto, como essa contribuição é regulamentada pela CLT, necessário se faz transformar o artigo 3º, da proposta de emenda a Constituição em projeto de lei, que vise a modificar os artigos da CLT que versam sobre ela.

 


Registre-se que a única menção feita a ela, pela Constituição Federal, encontra-se no inciso IV do artigo 8º, que é modificado pela proposta de emenda constitucional, retirando tal menção. Assim, não se justifica e nem se sustenta, do ponto de vista legislativo, o artigo 3º, da comentada proposta.

 


Por derradeiro, quanto ao conteúdo da proposta da emenda, cabe destacar que as críticas que se tecem contra a unicidade sindical são injustas e não resistem ao confronto com a realidade fática, porquanto a ela não pode ser imputada a profunda crise que atinge o movimento sindical brasileiro.

 


A origem dessa crise deve ser buscada na realidade socio-econômica, cruel e adversa aos trabalhadores, bem assim na partidarização das entidades sindicais, quer à direita, quer à esquerda.

 


Ademais, se há uma pequena minoria de sindicalistas que defende a unicidade com a finalidade de manter seus aparelhos burocráticos, a esmagadora maioria o faz por temer que o plurissindicalismo, se implantado no atual contexto adverso, e na forma proposta, acarretará o esfacelamento do movimento sindical, e, em conseqüência, o enfraquecimento ainda maior do já combalido poder negocial dos trabalhadores.

 


Dizer que a unicidade tem como pressuposto a conciliação entre capital e trabalho significa negar a realidade fática e, porque não dizer, faltar com a verdade. Importantes e respeitáveis setores do movimento sindical, como a Corrente Sindical Classista, jamais pugnaram por sobredita conciliação e, no entanto, são ferrenhos defensores da unicidade, por razões políticas, principalmente por acreditarem que ela continua representando a melhor forma de organização dos trabalhadores, no atual contexto brasileiro.

 


E, finalmente, há que se corrigir a afirmação contida na justificação, segunda a qual a Convenção 87, da OIT, dormita nas gavetas do Congresso Nacional desde 1947. Isto é absolutamente impossível, haja vista que referida Convenção foi aprovada pela 31ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho, realizada em São Francisco, EUA, em 17 de junho de 1948, entrando em vigor, no plano internacional, em 4 de julho de 1950.
O Presidente Eurico Gaspar Dutra, em cumprimento à Constituição da OIT, encaminhou o texto da Convenção 87 ao Congresso Nacional por meio da mensagem n. 256, de 31 de maio de 1949.

 

Campo Grande-MS, março de 2004.

 

José Geraldo de Santana Oliveira Ricardo Martinez Froes
Advogado Professor e Advogado
Assessor Jurídico do SINTRAE-MS e da FITEE Presidente do SINTRAE-MS

 

 

 

 

Recesso dos Professores

RECESSO DOS PROFESSORES

Veja também - Recesso de Julho

 

Como funciona o recesso dos professores em julho e dezembro, que trabalham nas escolas particulares.

Face à importância do assunto, cumpre-nos tecer alguns comentários relacionados com o recesso escolar e a remuneração do professor.

Considera-se recesso escolar ou férias escolares, o período intermediário entre o final de um semestre letivo e o inicio de outro semestre letivo. Estes ocorrem no mês de julho e de dezembro a janeiro de cada ano.

Leia mais...

Curiosidades

Por que a logomarca do Sintrae-MS é uma coruja?

Com sua capacidade de ver no escuro, a coruja inspirou os antigos...

Leia mais...

Ficha de Filiação/Atualização Cadastral

- Filie-se: preencha a ficha ao lado e envie ao Sintrae/MS para tornar-se filiado.
- Atualize-se: preencha a ficha atualizando os seus dados cadastrais junto ao Sintrae/MS.

Construção da Sede Administrativa

Construção da Sede Administrativa - Um sonho sendo realizado

Foi dada a largada, com a construção do muro de 140 metros para fechar a frente da área destinada à sede administrativa.
Também iniciamos os serviços de terraplanagem para dar lugar à nova sede adrministrativa.

A Assembléia Geral convocada para autorizar a construção foi vitoriosa em ousar com pensamento no futuro.

Clique aqui para ver o andamento das obras